Expressões locais

Só os fortes entenderão (Foto = Edvaldo Rodrigues)

Além do modo de falar, puxando o R, igual freio de mão em descida, o cianortense típico, ou aquele que mora na cidade por algum período acumula um linguajar com expressões típicas. Vamos à elas?

BALÃO = É a rotatória ou praça. Sabe onde é tal lugar? “Ah, você segue reto e vira à esquerda no primeiro balão.

DATA = É um terreno, um lote. Então, quando você ler o anúncio de algum jardineiro como “Corto mato em data vazia”, ele está falando é do terreno e não do calendário.

FINCAR = Enfiar. “Vou fincar uma faca nas suas costas, se você me trair!”

FIRMA = Empresa. “Na firma em que trabalho o lanche é regado!”.

FORÇA =  Energia. “Eu não tomei banho porque o chuveiro estava sem força.”

JUDIAR = Maltratar. “Eles judiavam do animal e por isso foram multados.”

NÉ? Cianortense que se preze usa né ao final da frase. Algo como um ligeiro de “não é?”. Né?

ORNAR = Combinar. “Esse sapato orna com essa bolsa!”

PANCA = Bem vestido. “As mulheres de Cianorte andam na maior panca!”

PONTILHÃO = Viaduto. “Na via urbana de Cianorte tem o pontilhão das avenidas Goiás e Maranhão.”

REGADO =  Cheio, bom. “O show estava regado!”

RELAMPIAR = É outra expressão local para o verbo relampear ou relampejar, que é relativo aos relâmpagos.

RELAR = Encostar. “A rede estava tão baixa que relei as nádegas no chão.”

SINALEIRO = É o semáforo, sinal ou farol. E em Cianorte são usados os semáforos seqüenciais, que teria como finalidade fazer com que o usuário fosse mais racional diante do mesmo. Porém, é muito comum o avanço do sinal.

VITROR = É uma adaptação da palavra francesa vitraux, para referir-se a um tipo de janela.

error: Conteúdo Protegido